Acessibilidade
Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página Principal > Notícias > Governo federal lança nova fase da Operação Acolhida para acelerar interiorização de venezuelanos
Início do conteúdo da página

Governo federal lança nova fase da Operação Acolhida para acelerar interiorização de venezuelanos

Publicado: Quinta, 03 de Outubro de 2019, 15h09


Brasília (DF), 02/10/2019 - O governo federal lançou, na quarta-feira (2), a nova fase da Operação Acolhida, em cerimônia realizada no Palácio do Planalto, em Brasília. Dentro da campanha "interiorização + humana" foram assinados um Acordo de Cooperação Técnica (ACT) entre a União, representada pela Casa Civil, e a Fundação Banco do Brasil (FBB), e um Protocolo de Intenções entre a União e a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

O acordo visa tornar ainda mais efetiva a ajuda humanitária prestada aos imigrantes e refugiados venezuelanos. Trata-se da criação de um fundo privado para o recebimento de doações ao programa Operação Acolhida.

A estratégia do governo federal é assegurar a continuidade e a expansão das ações de assistência humanitária a imigrantes e refugiados que chegam ao Brasil.

Para isso, a Casa Civil buscou identificar meios de captar e direcionar recursos não orçamentários, em especial recursos privados doados, para o apoio às ações de assistência em curso. Após o exame de alternativas e possibilidades, consolidou-se o entendimento de que a maneira mais adequada de construir esse apoio seria com a criação de um fundo financeiro privado, administrado por entidade de natureza privada, como a Fundação Banco do Brasil (FBB).

"Percebemos que tínhamos que constituir um novo modelo, com os princípios de eficiência do atual governo. A ideia é acelerar o processo de interiorização. Dentro do atual modelo, temos 15 mil pessoas que foram interiorizadas desde a constituição da operação. Dessas, dez mil, praticamente todas no governo Bolsonaro, em nove meses. Temos que pensar na sustentabilidade da operação porque a carência por recurso público é enorme. Então, não podemos apostar todas as fichas em recursos públicos", declarou o Subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil, Antônio José Barreto.

A FBB aceitou participar do projeto depois de certificar-se de que tal iniciativa coaduna-se com sua missão e suas linhas de ação. Ela ofereceu ao governo federal, sem ônus, até o limite de R$ 100 milhões em recursos doados.

"A Fundação Banco do Brasil disponibilizará soluções para o recebimento de doações, por meio de contas exclusivas, e realizará a gestão dos recursos que estão integralmente investidos em ações de ordenamento, abrigo e interiorização, alinhadas pelas decisões emanadas pelo Comitê Federal, coordenado pela Casa Civil", afirmou o Diretor de Governo do Banco do Brasil, Ênio Ferreira.

Protocolo de Intenções

Já o Protocolo de Intenções, esse é um instrumento para incentivar municípios brasileiros a acolherem imigrantes e refugiados venezuelanos.

Além da Casa Civil da Presidência da República, o documento também envolve a Secretaria de Governo e os ministérios da Defesa, da Cidadania; da Justiça; da Mulher, Família e Direitos Humanos; da Educação e da Saúde. O Presidente da Confederação Nacional dos Municípios explicou o motivo de apoiar a aceleração da interiorização.

"Reafirmamos nosso compromisso de fomentar a campanha de interiorização mais humana. Queremos promover uma interiorização com maior humanidade, isenção social e profissional, possibilitando aos venezuelanos a oportunidade de recomeçarem a vida no Brasil e em nossos municípios.

É nas nossas cidades onde tudo começa, onde as pessoas crescem e se desenvolvem", garantiu o Presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Glademir Aroldi.

O protocolo em questão terá duração de um ano, a partir desta quarta-feira, podendo ser prorrogado, por interesse das partes. Ele não implica a transferência de recursos orçamentários e financeiros entre os entes governamentais e as agências da ONU.

Cabe a cada ente prover os recursos humanos, materiais e financeiros necessários à execução das suas respectivas responsabilidades.

Eventual transferência de recursos será efetivada mediante instrumento específico, de acordo com a legislação de cada órgão, entidade ou instituição envolvida, observada a disponibilidade orçamentária-financeira.

Há previsão de eventual ressarcimento de despesas somente nas seguintes situações: tarifas financeiras referentes à manutenção de conta de depósito e à transferência dos recursos doados para tais contas; e gastos com viagens e diárias de equipes que venham a assessorar e monitorar in loco a aplicação dos recursos. Esses custos deverão ser cobertos com pequena parcela dos próprios recursos doados.

Operação Acolhida

O programa humanitário Operação Acolhida é considerado, na comunidade internacional, uma ação exemplar e de sucesso. A atuação do poder público, sistêmica e integral, buscou assegurar a dignidade da população venezuelana vulnerável afetada, inclusive contingente significativo de indígenas das etnias Warao e Eñepá.

A atuação é pautada por ações nas áreas das políticas sociais, prestação de serviços básicos e segurança pública, além de medidas de ordenamento e controle de fronteiras. Um diferencial é a governança fortemente estruturada.

O Comitê Federal de Assistência Emergencial é o órgão máximo da estrutura de governança. O Comitê é a principal instância deliberativa, responsável por definir diretrizes e ações no âmbito da assistência emergencial aos imigrantes e refugiados.

A Casa Civil, órgão da administração federal, tem por atribuição assistir diretamente o Presidente da República, em especial nas atribuições de coordenação e integração das ações dos órgãos e das entidades da administração pública federal. A Casa Civil compõe e coordena o Comitê, que conta com a participação de 11 ministérios. As Forças Armadas, por sua vez, realizam a coordenação da Força-Tarefa Logística Operacional em Roraima.

A situação de vulnerabilidade dos imigrantes e refugiados demanda ações de assistência imediata, de acolhida por um período de tempo de permanência no Brasil relativamente prolongado e, eventualmente, de inserção socioeconômica no país, o que traz necessidades amplas a serem atendidas tanto pelo Poder Público quanto pela Sociedade Civil.

A Operação Acolhida está estruturada em torno a três eixos: ordenamento de fronteira (para recepção, identificação, documentação, triagem e cuidados médicos básicos aos venezuelanos que chegam ao Brasil pela fronteira com Roraima); abrigamento (para acomodação em abrigos e albergues na zona fronteiriça, com alimentação, educação, cuidados em saúde e proteção social); interiorização (para descolamento a diferentes estados do país e apoio à inserção econômica e social dos imigrantes e refugiados).

A crise humanitária exige protagonismo do Estado, no sentido de estar preparado para coordenar e implementar as ações, diretamente ou em parcerias. A Operação Acolhida conta hoje com parcerias com agências internacionais, que realizam trabalho coordenado e complementar ao do governo federal.

A Operação Acolhida conta com a participação ativa de sete organismos internacionais e de uma centena de entidades da sociedade civil. Destaque para a atuação das agências das Nações Unidas, em especial o ACNUR, a OIM e o UNFPA.

Conta também com a colaboração dos governos estaduais e municipais no recebimento de imigrantes por meio da interiorização. Nesse contexto, a atuação abrange Roraima, amplia-se para o Amazonas e é amplificada com a atuação de mais de uma centena de municípios espalhados pelo país, que já atuam na fase de interiorização.

A governança compartilhada das ações de assistência emergencial é essencial no funcionamento da Operação Acolhida. O Comitê Federal avalia necessidades, define prioridades e solicita a colaboração dos parceiros, nas tarefas mais urgentes ou carentes de recursos, de maneira alinhada com as respectivas atribuições institucionais.

Esse arranjo baseado em parcerias é fundamental para o êxito da Operação, não apenas pela contribuição em recursos, equipes e conhecimento, mas também por assegurar flexibilidade e celeridade à Operação.

As atividades executadas no âmbito das agências, por exemplo, podem ser realizadas mediante contratações que não exigem licitação. A complexidade da coordenação das ações demanda governança forte, coordenada pela Casa Civil, que promove a articulação entre os atores e o compartilhamento do processo decisório.

No âmbito da Operação Acolhida, conforme dados recentes, mais de 300 mil venezuelanos foram atendidos nos postos de fronteira de recepção, identificação e triagem, em Roraima. Dessas pessoas, 175 mil solicitaram regularização migratória, sendo 75 mil pedidos de refúgio 100 mil pedidos de residência temporária.

Já foram administradas 300 mil doses de vacinas e emitidas 50 mil carteiras de trabalho. Em Roraima, nas cidades de Boa Vista e Pacaraima, estão instalados 13 abrigos temporários e um de albergamento. Em breve será disponibilizada estrutura de abrigamento também em Manaus. Existem abrigos específicos para famílias, solteiros e indígenas.

Por Capitão-Tenente Fabrício Costa

Fotos: Alexandre Manfrim/MD

Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa
(61) 3312-4071

Fim do conteúdo da página